sala guirigai en el v circuito ibérico de artes escénicas


 

13 Fevereiro, 11h campanha escolar - em pessoa - ctb

Compañía: Theatro Circo | BragaEm Pessoa

Texto | Fernando Pessoa
Dramaturgia | Sílvia Brito

INTÉRPRETES | André Laires, António Jorge e Eduarda Pinto
Duración | 70 minutos

SINOPSIS: Una inmensa humanidad se desprende de las palabras de Fernando Pessoa, el mayor poeta y pensador de la literatura portuguesa. Palabras impregnadas de memoria y de sueños, de cotidianeidad, de gestos simples, al fin y al cabo, pero eternos en el trascurrir del tiempo. Palabras que dejan al desnudo lo absurdo de la vida y la muerte bajo la cobertura implacable de la pulsión artística. Este espectáculo pone el foco en el proceso de creación artística durante la búsqueda del ‘yo’:  letras, voces y cuerpos distintos tras el pseudónimo de Alberto Caeiro, Álvaro de Campos o Reis confirman la originalidad del poeta, pero en realidad, todo gira en un mismo sentido en el universo complejo de un solo Pessoa destrozado. ¿Será posible rescatar, en el escenario, esas chispas fulgurantes de lucidez y creación, alimento intemporal? Esperamos que sí.

SINOPSES: Uma imensa humanidade é o que perpassa nas palavras de Fernando Pessoa, poeta e pensador maior da nossa literatura. Impregnadas de memória e sonho, de quotidianos cheios, afinal, de gestos inúteis, mas sobreviventes ao tempo eterno do mundo; palavras vitais de um espanto iniciático que desnuda o absurdo da vida-morte sob a camada implacável da pulsão artística. Este espectáculo tem como foco o processo/drama da criação artística como terreno de busca de uma identidade; letras, vozes, corpos múltiplos, distintos nas formas de Caeiro, Campos e Reis, procuram afirmar a sua originalidade e a sua diferença mas, sabemos, todo o seu sentido se reúne no universo complexo e inominável de um só Pessoa, estilhaçado. Em corpo-presente, no palco, será possível resgatar essas centelhas fulgurantes de lucidez e criação, alimento intemporal? Esperamos que sim.

 

15 Fevereiro, 19.30h - MACLET de shakespeare - Teatro ART'IMAGEN

Texto William Shakespeare  (de Hamlet e Macbeth) 
Encenação e Dramaturgia José Abreu Fonseca 
Actuação (desempenhos presentes) Carlos Martins, Flávio Hamilton e Pedro Carvalho  (desempenho prévio, integrado) Pedro Bastos, (voz off) José Abreu Fonseca, (cantigas-frase) Carlos Martins, José Abreu Fonseca e Pedro Bastos, Káká 
Duración | 1hora 45 minutos
+12 AÑOS

Sinopsis: MACLET, de SHAKESPEARE es el resultado de un collage de fragmentos de MACBETH y HAMLET. Una producción de Teatro Art’Imagen con la colaboración del Teatro do Morcego Laboratório Oficina. Las palabras que pronuncian los intérpretes son autoría exclusiva de Shakespeare. Pieza suya que, sin embargo, él escribió y no escribió al mismo tiempo. Una elocución de lo que dice Maclet, pero también de lo que, alucinando o escuchando, oye Maclet decir al espectro del rey que es su padre; al asesino que es su tío rey; a los presagios y a la voz casual que le anuncia su muerte.

 

Sinopse: MACLET, de SHAKESPEARE é o resultado de uma colagem de fragmentos de MACBETH e HAMLET. Dela nasceu um texto inicial (um heterólogo com o mesmo título) de que foi extraído este monólogo coral que o Teatro Art’ Imagem ora estreia com a colaboração do Teatro do Morcego Laboratório Oficina. As palavras que destina aos atores são da autoria exclusiva de Shakespeare. Peça sua, portanto – que no entanto não o é apenas, pois escreveu-a e não a escreveu ao mesmo tempo. Elocução do que diz Maclet mas também do que, por alucinação ou escuta, Maclet ouve dizer: ao espetro-rei-morto seu pai, ao homicida seu tio-rei-posto, a augúrios, à voz ocasional que lhe anuncia a morte.

16 outubro, 21h - Instruções para abolir o Natal - acta (FARO)
Texto: Michael Mackenzie | Tradução: Sara Mendes Vicente | Encenação: Isabel dos Santos | Interpretação: Luís Vicente Sara Mendes Vicente | Cenografia: Jean-Guy Lecat | Música: Zé Eduardo | Desenho e Operação de Luz: Octávio Oliveira | Designer: Rita Merlin | Produção: Elisabete Martins | Comunicação: Sofia Rodrigues | Secretariado: Ana Anastácio

Duración | 80 minutos +12 AÑOS

Sinopse | Pano de fundo: a crise financeira de 2008. O que nos levou à crise é o que está em causa neste texto – e no espetáculo. Não são necessários vastos conhecimentos para percebermos que existimos num universo socioeconómico com várias crises e cada uma delas tem origem diversa. E cada uma delas levará, eventualmente, a uma nova crise. Não há certezas; mas identificam-se semelhanças nos comportamentos do universo financeiro em cada crise que se afirma em cada tempo, com maior ou menor relevância, com maior ou menor abrangência. Chegam-nos notícias de reuniões de alto nível repletas de apertos de mão e vénias excessivas, de indivíduos que tomam decisões em nome de pessoas que não conhecem. Das mil e uma peripécias da Tragédia Grega, que é o desenrolar de uma qualquer crise, permitindo a um ou outro jornal manter as impressoras a trabalhar durante mais uns anos. E temos apenas uma certeza: o mundo financeiro é impenetrável, incompreensível e, provavelmente, não é gerido por seres humanos.

 Mas, se tivéssemos a oportunidade de entrar numa destas reuniões? Se nos fosse dada a oportunidade de saber – honestamente – o que acontece dentro das portas fechadas dos gabinetes dos arranha-céus espelhados? Michael Mackenzie abre as portas de um desses gabinetes, que pode estar em qualquer lugar do mundo, e apresenta-nos a reunião do ajuste de contas. Duas personagens em crise. Crise financeira, emocional e psicológica que os levam a descrever o antes e o depois, expondo a realidade da nossa condição humana atual: podemos viver uma vida inteira sem nos confrontarmos com as consequências dos nossos atos, especialmente quando estão longe do nosso olhar (atento). Ou será que já não é assim? 

12 dezembro, 19.30h - PEQUENO RETÁBULO DE GARCÍA LORCA - t. das beiras

PEQUENO RETÁBULO DE GARCÍA LORCA

TEATRO DAS BEIRAS (COVILHÃ)

TEATRO EM PORTUGUÊS

AUTOR | Federico García Lorca

VERSIÓN Y DIRECCIÓN | Gil Salgueiro Nave

ELENCO | Fernando Landeira, Roberto Jácome, Sílvia Morais, Susana Gouveia e Tiago Moreira

DURACIÓN | 60 min | +14 años

PRECIOS ESPECIALES PARA GRUPOS

(+10 PERSONAS | 50% DESCUENTO)

https://www.youtube.com/watch?v=eHg8PcSzOc4

“Pequeno retábulo” estabelece a partir de textos referenciais, a evidência da herança da teatralidade popular mediterrânica a par das influências do movimento modernista na corrente surrealista. Poesia, música e teatro, são neste espetáculo os elementos que vos propomos para despertar a memória histórica em torno da biografia de um grande autor universalmente consagrado, nascido em Granada no ano 1898 e, nessa mesma cidade, no ano 1936, fuzilado pelas tropas fascistas, nos inícios da Guerra Civil espanhola.

Visita el Archivo de Teatro Guirigai

 

Contacto


C/ Virgen del Pilar, 2
06230 - Los Santos de Maimona (Badajoz)

Tlf./Fax : 924 57 24 96
guirigai@guirigai.com

 

 

 

Contacto


C/ Virgen del Pilar, 2
06230 - Los Santos de Maimona (Badajoz)

Tlf./Fax : 924 57 24 96
guirigai@guirigai.com